Um novo CFO para uma nova realidade

Apsis em Artigos Atualizado em 20.03.2019

Disrupção. Essa é uma palavra cada vez mais comum. Estamos vivendo em uma época em que o rompimento com o modo de fazer do passado é mais constante e necessário. Em grande parte das profissões, isso é um desafio, e, para um CFO, é imprescindível acompanhar o ritmo das inúmeras e rápidas mudanças que vêm junto com a revolução digital.

Uma pesquisa recente revelou que, em cinco anos, 80% dos tradicionais cargos na área de finanças não mais existirão. Se já não bastassem as crises econômicas, responsáveis por obrigar os profissionais dessa área a executarem cada vez mais com menos, eles agora precisam lidar com as consequências da chegada de tecnologias como inteligência artificial, data mining, aprendizagem de máquina e robótica.

No artigo que preparamos, vamos abordar algumas dicas para o CFO/diretor de finanças superar o novos desafios e necessidades do mercado.

O papel do CFO

O diretor de finanças sempre ocupou uma posição importante dentro de um empreendimento. Por muito tempo, foi responsável pelo controle de gastos e pelo planejamento e controle financeiro da empresa.

Com o passar do tempo, suas responsabilidades a atributos foram aumentando, e isso trouxe uma consequência: ele passou a ocupar uma posição muito mais estratégica dentro do empreendimento.

Nos últimos anos, começou a ocorrer uma mudança relevante no perfil desse profissional. Novas exigências do mercado demandaram reinvenção e uma grande capacidade de adaptação. Vamos conferir a seguir, algumas das competências que um diretor de finanças precisa ter para atender às novas exigências do mercado.

Tecnologia

Como já falamos, vivemos um período de grandes e rápidas mudanças tecnológicas. O CFO deve se adaptar a essa nova realidade procurando estar constantemente atualizado, preparando a sua empresa para os desafios que essas transformações desencadeiam dentro das organizações.

Ele pode aproveitar o contato com os nativos digitais, considerando organizar um programa de mentoria reversa, conectando-se com um jovem ou um colaborador com maior experiência no ambiente digital para discutir e demonstrar importantes tendências tecnológicas e inovações.

É importante que o diretor de finanças tenha competência para enxergar a empresa de uma maneira global a fim de avaliar constantemente como o modelo de negócios da organização em que trabalha pode ser adaptado às opções tecnológicas existentes. É fundamental facilitar a execução dos trabalhos e garantir um alto rendimento para os negócios, aproveitando todas as oportunidades geradas pela inovação e pelas novas ferramentas lançadas no mercado.

Porém, esse rendimento só acontece se as pessoas que lidam com os processos internos da organização tiverem competência de vislumbrar todo esse potencial, recomendando a aplicação dessas novas ferramentas no negócio. Cabe ao CFO entender como empregar a inovação e as novas ferramentas tecnológicas, administrando o risco e somando os potenciais benefícios práticos para o empreendimento.

Gerenciamento de riscos

O CEO costuma ser valorizado pela sua capacidade de gerenciar riscos. Um negócio tem muito mais chances de ser bem-sucedido quando seu CFO tem a competência de compreender a existência de riscos e preparar o empreendimento para enfrentar os possíveis problemas. A tendência é de que haja, nos próximos anos, um aumento da responsabilidade e da urgência de saber planejar.

Essa realidade vai demandar que o profissional desenvolva sua capacidade de gerenciamento de riscos e que seja capaz, também, de ajudar no planejamento, fazendo uma análise desses riscos e tomando as medidas necessárias para debelá-los – sempre trabalhando em estreita relação com o CEO. Dessa maneira, o crescimento e a manutenção saudável das atividades do negócio estarão garantidos.

Orientação nas decisões

Além de ser um bom líder, o CFO também deve estar apto a orientar decisões dentro da organização. Esse aspecto é uma extensão do desenvolvimento da liderança e da capacidade de gerenciar pessoas.

O ambiente empresarial será cada vez mais de alta pressão, exigindo rápidas decisões conforme as situações surgirem, por isso a necessidade de que o diretor de finanças tenha facilidade na orientação de decisões. Lutar para atingir as metas traçadas, mesmo em situações adversas, fará parte da rotina desse profissional.

O CFO deverá saber representar e orientar a empresa, ter a capacidade de medir o impacto das decisões dentro do empreendimento, transmitir com inteligência os seus objetivos e saber avaliar o momento certo para a tomada de decisões.

Gestão de pessoas

Desenvolver a habilidade de gestão de pessoas é muito importante quando se é um diretor de finanças de uma empresa. A tendência é que esse conhecimento seja cada vez mais demandado pelas organizações. Saber influenciar pessoas, ter espírito de liderança e habilidade para negociar são características fundamentais para que o CFO seja bem-sucedido nesta nova realidade que se apresenta. Se o profissional tiver a capacidade de lidar bem com as pessoas, compreendendo quem são os colaboradores certos para a sua área, garantirá um melhor rendimento ao setor e, consequentemente, aos seus resultados.

Vale lembrar que todo profissional que atua em cargos de direção deve ter, como uma das principais características, a capacidade de gerir relações humanas. Quando estão em jogo resultado e rendimento, a capacidade de saber negociar e harmonizar divergências faz toda a diferença. O desempenho deve sempre ser inteligente e estratégico. No passado, essa competência não era tão exigida dos CFOs, mas esse cenário mudou muito nos últimos anos.

Estratégias

O líder deve ser também um estrategista. Para desempenhar com sucesso essa função, ele precisa identificar as potencialidades do negócio frente ao mercado e as necessidades mais importantes do empreendimento. Dessa maneira, ele é o responsável pelo plano que vai permitir atingir esses objetivos de maneira efetiva.

O CFO tem de saber lidar com as constantes mudanças que têm modificado o mercado e as organizações, entendendo as novas necessidades e demandas e atuando como um estrategista nato – sempre com o objetivo de manter e desenvolver o negócio.

O diretor financeiro tem especial destaque no desenvolvimento de estratégias focadas nas necessidades dos seus setores, como saber relacionar contextos externos de mercado com a realidade financeira interna do empreendimento e elaborar um planejamento estratégico.

Adaptação

Como podemos ver, adaptar é preciso. Muitas mudanças e novas exigências exigem um ajuste constante. A capacidade de adaptação é determinante para o CFO, pois o habilita a entender melhor a eficácia das estratégias adotadas – para tomar a decisão de mantê-las ou alterar a direção. É verdade que esse aspecto tende a favorecer os profissionais mais jovens, com mais facilidade de se adaptar a novidades. Porém, a experiência dos mais velhos também é muito importante para enfrentar as mudanças exigidas pelo mercado.



Compartilhe