QUANTO VALE UMA MARCA DE LUXO?

Apsis em Artigos Atualizado em 28.07.2017

A principal diferença entre uma marca de luxo e uma marca de consumo de massa está na segmentação do mercado e no posicionamento adotados pela empresa junto ao mercado consumidor definido por essa segmentação. A maneira que a empresa se coloca junto ao seu consumidor, a forma de destacar os seus atributos, a comunicação que adota para chegar até ele, o preço que pratica e os canais de distribuição que utiliza são características importantes para salientar as diferenças entre uma marca de luxo e uma marca de consumo de massa.

Para as marcas e empresas que atuam no setor de alto padrão, potencializar seus valores intangíveis e transformá-los em diferenciais competitivos são estratégias cada vez mais importantes para a conquista de novos clientes.

Os atos de compra e consumo (e o que é adquirido nesses momentos, sejam produtos ou serviços) refletem não somente necessidades referentes à sobrevivência humana, mas também necessidades ligadas ao contexto social e individual envolvidos no processo. Quanto mais raro e inacessível o ato de consumo, mais traduz reconhecimento e distinção social. Quanto mais um objeto se reveste de atratividade subjetiva, mais significativo é o seu papel social.

A compra de bens sofisticados não obedece apenas a fatores econômicos. O valor intangível ligado a eles revela um impacto significativo da cultura. Ao analisar o consumo pela ótica da permissão ao consumo, pode-se afirmar que a compra de bens de luxo satisfaz, principalmente, o apetite do comprador pelo simbolismo presente nos itens que adquire, seja de diferenciação ou pertencimento social, de extensão ou afirmação de si mesmo.

As marcas, o conhecimento corporativo, a sustentabilidade, a rede de relacionamentos, o capital intelectual são todos ativos de natureza intangível, que garantem diferenciação, venda e margem das empresas. De maneira evolutiva, os diferenciais competitivos das empresas estão em seus valores intangíveis. O conjunto deles é o que garante a diferenciação competitiva das empresas, que impulsiona os seus negócios e que permite que alcancem altas margens.*

Os bens de luxo contam com grandes significados e códigos sociais – produtos que não têm necessidade clara, muitas vezes são supérfluos, mas têm grandes porções de simbolismo. Os objetos de luxo representam toda a complexidade do processo de compra. O produto torna-se, para quem o deseja ou possui, mais que um produto: a projeção de um conjunto de sentimentos e lembranças, quase um prolongamento do corpo ou do sucesso.

 

*Fonte: Endeavor

 

Mariana Haritoff – Equipe de Marketing



Compartilhe