Quais as melhores opções de investimento para 2019?

Apsis em Artigos Atualizado em 17.12.2018

Estamos chegando à reta final do ano, época ideal para avaliar quais investimentos serão mais rentáveis em 2019. A seguir, confira os cenários econômicos que nos esperam nesse futuro próximo.

No aspecto político, temos a perspectiva de que o presidente eleito faça reformas importantes, como a da Previdência, e seja favorável às privatizações. Seria muito importante para a economia diminuir o tamanho do Estado e reduzir os impostos. É fundamental, também, conter o deficit fiscal, evitando a “quebra” do país. Se tais condições forem confirmadas, vários investimentos represados pelo setor privado poderão, finalmente, acontecer, ajudando na recuperação gradual e na manutenção de uma taxa de juros mais baixa.

No cenário externo, a volatilidade está em alta desde que EUA e China ensaiaram uma guerra comercial, contaminando os mercados mundiais. Porém, em curto e médio prazos, o horizonte é positivo e a tendência é que não haja nenhuma crise externa com a capacidade de afetar significativamente o Brasil. Uma boa parte das grandes economias do mundo, como Alemanha, EUA, China e Japão, atravessam um período de crescimento.

No entanto, é bom lembrar que ainda existe a possibilidade de uma desaceleração da economia mundial, por conta de um maior volume de impressão de dinheiro realizada pelos Bancos Centrais e de uma subida de juros nos EUA maior do que o mercado espera. Esse cenário significaria fuga de capital do Brasil para outros mercados.

Brasil: em alta entre os investidores estrangeiros

Em 2018, o Brasil se consolidou como o segundo país do mundo com melhores opções de investimento. Por conta disso, também ocupa a segunda posição no ranking que mede a preferência dos investidores estrangeiros. Dentre as áreas mais visadas para investimentos no Brasil, destacam-se transporte, varejo, bens de consumo e energia.

Investir em quê?

Poupança

É a aplicação preferida da maioria dos brasileiros, mas, infelizmente, é a pior opção. O dinheiro investido fica praticamente estagnado, pois os bancos normalmente usam as aplicações em poupança para fazer empréstimos com juros muito baixos. Por conta disso, a rentabilidade para a caderneta não chega a 1% ao mês. O rendimento anual da caderneta de poupança está na faixa dos 4,5%, muito abaixo das outras opções de aplicações financeiras.

Renda Fixa

No momento, o ideal é esperar uma melhora nas taxas pagas para os títulos prefixados e atrelados à inflação (tesouro direto, debêntures etc.). A melhor opção é escolher títulos atrelados à Selic ou ao CDI, com prazos mais curtos de vencimento. Títulos com prazos mais dilatados (maiores do que 24 meses) estão começando a oferecer melhores remunerações, se as compararmos com as do início do ano.

Fundos Multimercado

Esse tipo de fundo engloba vários tipos de aplicação, possibilitando uma ação estratégica para se obter benefícios em curto, médio e longo prazos. Nos fundos multimercado, é possível, por exemplo, juntar os investimentos de renda variável com os de renda fixa.

Cada fundo multimercado tem seu perfil, com composições de carteira e características diferentes. Enquanto alguns se expõem mais na bolsa de valores, outros concentram as aplicações em títulos do exterior ou de renda fixa.

Em resumo, os fundos multimercado oferecem maior rentabilidade que os investimentos de renda fixa. Por outro lado, apresentam maiores riscos.

Fundos Imobiliários

Os fundos imobiliários ganharam força nos últimos 24 meses. Esse tipo de aplicação antecipou a recuperação que está ocorrendo no mercado imobiliário, com um significativo crescimento nos lançamentos e nas vendas. O IFIX (índice que baliza o setor) subiu algo em torno de 60% nos últimos dois anos, e alguns fundos imobiliários chegaram a dobrar de preço. Essa continuará a ser uma boa aplicação em 2019, mas será necessário pesquisar bem para encontrar opções com boas possibilidades de rentabilidade.

Carteira ou Fundo de Investimentos em Ações (FIA)

Um ambiente de juros baixos e inflação sob controle, em conjunto com uma recuperação econômica, favorece muito a rentabilidade de quem tem uma carteira de ações ou aplicações em fundos de investimentos em ações. O ano que vem poderá apresentar variadas oportunidades para aqueles que querem investir mais especulativamente, no curto prazo, e também para os que querem fazer uma carteira de ações visando a prazos mais longos.

Certificado de Operações Estruturadas (COE)

A disponibilidade do Certificado de Operações Estruturadas no mercado é recente. É a versão brasileira das Notas Estruturadas, muito populares na Europa e nos Estados Unidos. O COE é uma aplicação composta por uma renda fixa e uma renda variável, com retornos atrelados a ativos e índices como inflação, ações, câmbio e ativos internacionais. Esse certificado permite fazer um investimento com ganho ilimitado e reduzir o prejuízo. Caso este ocorra, o investidor receberá o total do valor investido de volta.



Compartilhe